Helô Sampaio


Vamos sacudir a poeira, galera, que o dia está lindo e temos um bocado de feriados

Credo! Faz tempo que não vejo uma disputa eleitoral tão polêmica e acirrada como esta. O povo discutia parecendo que era pra ganhar dinheiro. Briga de amigos nos bares e nas redes digitais com o fim de amizades; desavenças e discussões estéreis em família por causa de candidato A ou B; WhatsApp carregado diariamente cheio de fakes ou bobagens... quem aguenta?

Até que enfim terminou este fuzuê de eleições. Agora é rezar pro home fazer um bom governo e tomar as decisões acertadas. E pedir que Deus não nos desampare.

Vamos ‘tocar o bonde pra Lapinha’, dar seguimento à vida, pois temos que assumir os débitos - que um dos candidatos iria zerar - e trabalhar duro para botar comida na mesa. O sonho acabou, e as contas e o desemprego batem à porta.

Vamos sacudir a poeira, galera, que o dia está lindo, as praias estão cheias e temos um bocado de feriados. E a vida merece ser bem vivida, apesar das dificuldades, pois vida só temos ‘uminha’, uma vidinha só.

Se viver bem, com alegria, sabendo tirar proveito até das dificuldades, maravilha: vai para o Reino do Bem; se não souber aproveitar vai para debaixo dos sete palmos encontrar com os ‘caras feias’. A escolha é nossa.

Por falar em viver bem, já viram como a nossa Bahia está sedutora, gostosa e acolhedora? Os turistas chegam e se encantam. Até euzinha recebi a visita da Ingrid Cunha, que veio de Porto Alegre passar o feriado, e se encantou com o acarajé, com o azul do nosso mar, com a intensidade do sol. Segundo ela, o mar no Rio Grande do Sul tem a ‘água mais preta’. Tão vendo que não é bairrismo meu?

A Bahia ainda é o melhor lugar do mundo pra se viver, véio. Vem cá pra ver, meu lindo turista, se eu falo a verdade.


Praia de Mangue Seco, na Bahia, onde Jorge Amado fez Tieta se deitar na rede - Foto: Leiamais.ba

A Bahia ainda é o melhor lugar do mundo pra se viver, véio. Vem cá pra ver, meu lindo turista, se eu falo a verdade.

E o Verão vai chegando bonito, mas não só pelo décimo terceiro que chega também. Mas o sol está escaldante, as praias cheias, o marzão lindo chamando para o banho, vendedores e ambulantes oferecendo de tudo e mais um pouco, além de um por de sol cinematográfico.

Perca um minuto dos afazeres, meu lindinho, e aprecie o entardecer, dê uma paradinha para apreciar as flores esplendorosas na Primavera, ou os coqueiros nos alegrando com o seu balançado. Veja também como nosso povo é bonito, moreno e sensual. Já parou para pensar nisso, fofo? Somos gostosésimos, nêgo.  

E o Natal também está chegando, com o comércio já apresentando o Papai Noel todo risonho, sugerindo presentes de todo tipo. Eu gosto muito desta época. Desde menina, quando os meus pais faziam lindas festas para os filhotes, esta data passou a ser a do grande encontro de família, com muito amor e alegria.

Carmen, minha irmã, seguiu o exemplo da minha mãe, que todo ano fazia o Natal dos meninos carentes de Ibicaraí. A irmã coleta um dinheiro com toda a família e alguns amigos mais chegados, negocia com os revendedores e compra centenas de brinquedos. É muito lindo, é muito tocante a distribuição para as crianças. Eles ficam emocionadas e se agarram no presente que ninguém mais tira.

Os meus pais ‘viajaram’ (sinto até hoje muita falta da minha mãe, que eu amava desesperadamente. Está no céu, sorrindo para as crianças e pra mim, claro) mas deixaram este exemplo para toda a família. Uma bela herança.

Estava comentando este assunto de família com a minha cunhada Odete, que veio de Vitória da Conquista, onde ajuda a cuidar da netinha Analua com a outra vovó Yoná, (cada uma mais babona que a outra). A gente fofocava enquanto saboreava um pudim feito pela Jaci, minha auxiliar doméstica, que veio de Itaberaba e trouxe toda a sapiência culinária da região. Foi uma grande aquisição para mim.

O pudim estava tão gostoso que ‘fundamos dentro’, esquecendo da netinha Analua. Ponha o avental e rume para a cozinha, gostosinho, para preparar o pudim, que é fácil. E veja como ele vai te fazer feliz.

Pudim de coco de Jaci de Itaberaba

-- Uma lata de leite condensado
-- Uma garrafinha (200ml) de leite de coco
-- Uma caixinha de creme de leite
-- Duas gelatinas sem sabor.

Modo de preparar

-- Dissolva cada uma das gelatinas com dez colheres (sopa) de água quente

-- Junte as gelatinas aos outros ingredientes, batendo tudo no liquidificador

-- Junte uma forma com manteiga, colocar o pudim batido e levar a geladeira por umas três a quatro horas, até ficar cremoso.

Saboreie um pouco e convide o amorzinho para você servir na boquinha.

Quer mais, coração? Aguarde a próxima coluna.

Xero.

Colunas anteriores
Ver mais notícias desta seção: mais recentes · mais antigas