Música

Música de Henrique Cartaxo é carregada de melancolia e coragem

"Sete Dias" acaba de estrear nas plataformas digitais

Foto: Divulgação
Henrique Cartaxo
 
“De manhã cedo há sempre um raio de esperança/Se o sol levanta, tudo pode ficar bem/se existe vida, pode haver uma providência/O desespero dá licença e que venha o que vem”
-- Henrique Cartaxo

Ruas vazias. Um barulho lá longe. Talvez um cachorro latindo, um caminhão bufando. Ou até mesmo um samba, que inesperado e espontâneo se fez nascer em pleno isolamento social.

Chamada diretamente de “Samba da Quarentena”, a canção fez com que Henrique Cartaxo - um de seus compositores, junto a Luísa Toller e Gustavo de Medeiros - se inspirasse ainda mais, compondo a faixa inédita “Sete Dias”, “uma canção produzida em casa, com o sentimento das noites de quarentena”, revela o compositor. A música acaba de estrear nas plataformas digitais.

No vídeo
Sete Dias

Músico cancioneiro, Cartaxo colabora com diversos artistas desta cena tão tipicamente paulistana, conhecida pelos encontros, as rodas, risadas e trocas. 

Mas em tempos de pandemia as reuniões presenciais deram lugar às criações colaborativas - como o “Samba da Quarentena” - e, no caso de Cartaxo, à vontade de concentrar energia em sua carreira solo. “Sete Dias” surge aqui, como uma isolada criação autoral do músico, que tem vivido um dia de cada vez nesta quarentena.

A faixa aborda um ciclo pelo qual passamos, entre esperança e medo, nesses dias de isolamento.

“Acordo, mesmo de uma noite mal dormida, com uma sensação de alívio, pois acordei, estou aqui, as casas estão de pé, há frutas no mercado. Penso, penso, penso, nos rumos da civilização, na geopolítica mundial, na dinâmica social do meu bairro, nos meus amigos que eu já não vejo há tanto tempo, semanas que passam de sete em sete dias de uma vez. Não sei, não sei, não sei. E acabo por aceitar não saber. No fundo nunca soubemos, com certeza não sabíamos, fizemos nossos planos sem saber. Só posso cuidar de respirar, lavar as mãos, estar atento e forte, ter coragem”, reflete Cartaxo sobre a música.

“Sete Dias” marca o movimento solo do artista neste 2020. Composição, vozes, violão, percussão e produção musical são do próprio Cartaxo.

Há ainda vozes de Raquel Valadares e viola incidental de João Antunes. A faixa não é single mas antecede o lançamento do primeiro álbum cheio de Henrique Cartaxo, Bai, que será divulgado por completo pelas próximas semanas e traz participações especiais de Rafael “Chicão” Montorfano (Quartabê), Daniel Dias, Inés Terra e Marina Beraldo (Bolerinho).