Carnaval / Cidade / Música

Banda da Guarda Civil toca em abrigos de idosos no carnaval

A banda tem se apresentado em comunidades, praças, abrigos, associações e escolas

Foto: Jefferson Peixoto
A banda tem se apresentado em abrigos

Serão 17 apresentações em dez dias de festa, em abrigos e locais que prestam serviços a pessoas com deficiência e idosos.

A programação dos shows da Banda da Guarda Civil se inicia com o Fuzuê, neste no domingo (15 de fevereiro), e segue até o último dia oficial de Carnaval (25).

A banda vem se preparando com montagem de repertório, estudo das partituras e ensaios diários.

Sob a regência do maestro Hamilton Fernando, a lista de canções tem como foco o resgate da essência dos carnavais de outrora, com marchinhas como “Mamãe eu quero”, “Me dá um dinheiro aí”, “Cabeleira do Zezé” e  “Allah-La ô”, mesclando com músicas marcantes mais contemporâneas. Além disso, clássicos carnavalescos como “Chame gente” e “We are the world of Carnaval” também fazem parte do repertório.

Programação

No dia 18, a banda levará irreverência para o Abrigo Dom Pedro II, fazendo um baile com clima de antigos carnavais para os idosos que residem no local, familiares e equipe de trabalho do abrigo.

No primeiro dia oficial da folia baiana (20), a banda anima o Bloco de Idosos da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Santo Antônio Além do Carmo.

Já no sábado de Carnaval (22) se apresenta no Camarote de Idosos, localizado no Circuito Osmar (Campo Grande). No dia seguinte, o grupo agita os foliões do Camarote para Deficientes, na Piedade.

E na folia deste ano ainda faz mais duas apresentações nos dias 24 e 25, no Camarote dos Idosos, em Ondina e no Campo Grande, respectivamente. 

Criada em 2008 com o objetivo de incentivar a musicalidade em parceria com a sociedade, a Banda da Guarda Civil tem se apresentado em comunidades, praças, abrigos, associações, escolas e outros ambientes democratizando a cultura musical.

A proposta é estimular a prevenção à violência através de ações, programas e projetos que visem despertar, resgatar ou preservar o sentimento da vida em comunidade e em cidadania.