Ciência

Módulo indiano chega à órbita da lua e pouso será dia 7 de setembro

Lançada em julho, esta é a segunda missão indiana na Lua

A missão indiana Chandrayaan-2 acaba de entrar oficialmente na órbita da Lua, e agora a nave se prepara para a alunissagem, o que fará com que a Índia se torne a quarta nação a pousar em nosso satélite natural (depois da Rússia, Estados Unidos e China), e será o primeiro país a levar um rover (veículo) ao polo sul lunar.

A informação foi confirmada pela própria ISRO (a agência espacial indiana) em seu perfil no Twitter. Lá, a agência diz: "Hoje (20 de agosto de 2019) depois da inserção na órbita lunar, a Chandrayaan-2 agora está em órbita. O módulo de pouso Vikram pousará suavemente na Lua no dia 7 de setembro de 2019".

No dia seguinte, o módulo estacionário Vikram deverá acionar o rover Pragyan para começar a exploração. A Chandrayaan-2 também carrega 14 cargas científicas e sua missão tem previsão para durar por até um ano.

Mas, até lá, a Chandrayaan-2 continuará circulando nosso satélite natural, descendo gradativamente em sua órbita, até atingir uma distância de cerca de 100 quilômetros da superfície, quando enfim se preparará para o pouso. Então, o módulo de pouso se separará do orbitador, usando propulsores para frear durante a descida no polo sul da Lua. A missão leva consigo, além do módulo Vikram e do rover Pragyan, 14 cargas científicas, incluindo uma da NASA. A missão tem previsão de durar por cerca de um ano.

Lançada em julho, esta é a segunda missão indiana na Lua: a Chandrayaan-1 orbitou nosso satélite natural em 2008, sem pousar, e operou por um total de 312 dias. Esta primeira missão lunar da Índia ajudou a confirmar a existência de água congelada na Lua, vale ressaltar.

Os principais objetivos do Chandrayaan-2 são demonstrar a capacidade de pousar suavemente na superfície lunar e operar um astromóvel robótico na superfície. Os objetivos científicos incluem estudos de topografia lunar, mineralogia, abundância elementar, exosfera lunar e assinaturas de hidroxila e gelo.

A Agência de Pesquisa Espacial da Índia (ISRO) divulgou as primeiras imagens da Terra a serem capturadas pela missão Chandrayaan-2, com a nave estando a mais de 5.000 km de distância.

“As imagens que obtivemos da Terra a partir da espaçonave são nítidas e bastante impressionantes, e estamos felizes com a forma como a missão foi desenvolvida até agora”, destacou o presidente da ISRO, Kailasavadivoo Sivan.