Música

Amor por Woodstock passa a filhos e netos de quem esteve no festival

Mística do evento persiste em plena era do streaming

Nos 50 anos de Woodstock, era de se imaginar que o festival fosse mais um verbete no almanaque da contracultura. Mas o transe coletivo das 400 mil pessoas que estiveram por lá vivenciando intensamente o amor livre e o antibelicismo transformou-se em uma mística que contagia gerações.

Segundo o guitarrista Carlos Santana, que se apresentou e ganhou notoriedade no pós-evento, Woodstock foi um "um oceano de colares, cabelos, dentes, olhos e mãos... um oceano de carne em movimento."

Um levantamento da Deezer, empresa global de streaming de áudio, revela que são os filhos e netos daqueles que passaram três dias vibrando no Zeitgeist ao som do rock que mantém viva a audiência dos ícones da música na era do stream.

O gosto musical pode ter sido uma herança - afinal, um outro estudo da plataforma revelou que, em 73% dos casos pesquisados, crianças de até 10 anos são influenciadas pelas faixas e bandas preferidas dos pais.

A lista que inclui Joan Baez, Jimi Hendrix, Creedence Clearwater Revival, entre outros, mostra que quem pisou naquele palco permanece relevante no repertório de millenials e Zs.

Creedence Clearwater Revival

O ano de 1969 foi o primeiro dos três na qual a banda foi considerada como a mais quente e popular da América - até se separarem em 1971.

Se, por um lado, iam na contramão dos roqueiros pautados pelo sexo, drogas e rock'n'roll e ampliavam o espírito da vertente do rockabilly e do blues, por outro, abrigavam conflitos internos liderados pelo próprio vocalista, John Fogerty.

Foi curto, mas intenso. Tanto é que, dentre todos os artistas que deixaram um legado pós-Woodstock, Creedence Clearwater Revival é o atual campeão em streaming na Deezer de acordo com os dados globais da plataforma.

Sua música mais ouvida, "Fortunate Son", representa sozinha 36% do total de streams. Quem mais dá o play são os Millennials, netos da geração de Woodstock, com 26 a 35 anos (30,96%).

Top Cidades: Paris, São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro
Top Países: França, Brasil, Alemanha, Reino Unido, México
Músicas mais ouvidas: "Fortunate Son", "Have You Ever Seen The Rain", "Proud Mary"

Jimi Hendrix

Jimmi HendrixConsiderado como um dos gênios da música do século XX, Hendrix protagonizou o momento mais icônico não só do festival de 1969, mas também, segundo o New York Post, o mais importante e representativo do Zeitgeist dos anos 1960: a versão psicodélica que fez para o hino nacional dos Estados Unidos ocupou três quartos de sua apresentação.

O mundo e a população norte-americana estavam testemunhando e repudiando a Guerra do Vietnã e Woodstock apresentou exatamente o oposto: uma celebração de paz, amor e música.

"Justamente nesse contexto, o arranjo psicodélico escolhido por Jimi teve uma carga de protesto e de posicionamento frente à tensão política que o país enfrentava no momento", disse Romar Sattler, editor musical da Deezer Brasil.

No entanto, poucas pessoas testemunharam a cena: por causa dos atrasos dos shows, a maioria da plateia já tinha ido embora quando, às 9h da manhã, Jimi Hendrix encerrou Woodstock com seu show. Valeu para a posteridade.

De todos os artistas aqui mencionados, é o mais ouvido entre a galera de 18 a 25 anos (18,44%) e vem logo atrás de Creedence Clearwater Revival na disputa pela preferência da primeira geração de netos do Woodstock, que hoje possuem entre 26 e 35 anos (29,30%).

Top Cidades: Paris, São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte
Top Países: França, Brasil, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos
Músicas mais ouvidas: "Hey Joe", "All Along the Watchtower", "Little Wing"

Santana

Antes de Woodstock, a banda realizava algumas apresentações locais em São Francisco, nos Estados Unidos e, portanto, era pouco conhecida. Após subir ao palco do festival, apresentar a fusão do Rock com elementos do som Latino e performar o instrumental "Soul Sacrifice" ao longo de 11 minutos, porém, Santana virou sensação.

O primeiro disco de Santana, batizado homonimamente, foi lançado no mesmo mês do festival.

Hoje, com mais de 100 milhões de discos vendidos e mais de 10 prêmios Grammy na conta, os inesquecíveis riffs de guitarra de Carlos Santana conquistam sua maior audiência no público de 26 a 35 anos (28,46%) e 36 a 45 (21,44%).

Top Cidades: Paris, São Paulo, Guatemala, Bogotá, Rio de Janeiro
Top Países: França, Brasil, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos
Músicas mais ouvidas: "Black Magic Woman (Album Version)", "Maria Maria (Radio Mix)", "Smooth"

The Who

Com raízes na convergência do movimento mod com o Rock, tendo o pop art como cenário unificador, a banda fez uma parada em Woodstock durante a turnê de Tommy, rock opera lançado no mesmo ano. Por isso, a set list do festival foi praticamente a mesma.

Foi tocada até o amanhecer, sendo encerrada por "My Generation" - música que poderia muito bem ter sido batizada no plural, considerando que a audiência do The Who permeia três gerações: 26 a 35 anos (26,20%), 36 a 35 anos (24,23%) e 46 a 55 anos (17,21%).

Top Cidades: Paris, São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte
Top Países: França, Brasil, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos
Músicas mais ouvidas: "Won't Get Fooled Again", "Baba O'Riley", "Behind Blue Eyes (Original Album Version)"

Janis Joplin

"Rainha do Rock'n'Roll" ou "a maior cantora de blues e soul de sua geração" - não importa por qual título Janis Joplin era conhecida.

Sua voz marcava os ares por onde passava e em Woodstock não foi diferente - ao lado de Jimi Hendrix, a artista deixou um retrato do espírito do festival e da década para a posteridade.

Infelizmente, morreu no ano seguinte vítima de uma overdose. No entanto, permaneceu viva no imaginário e nas playlists das gerações seguintes - principalmente a X e dos Millennials, nascidos entre 1974 e 1993, que representa 60% de sua audiência na Deezer.

Top Cidades: Paris, São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro
Top Países: França, Brasil, Alemanha, Reino Unido, Colômbia
Músicas mais ouvidas: "Move Over", "Kozmic Blues", "Piece of My Heart"

Joe Cocker

Outro artista que fez o lançamento de sua carreira em Woodstock - antes da data, mal era conhecido pelo público -, Joe Cocker performou um dos covers mais lembrados da história da música e representou The Beatles, que declinaram a entrada no lineup do festival, com uma versão intensa de "With a Little Help of My Friends."

O efeito foi direto: além de ser sua faixa mais ouvida mundialmente, o artista é o maior em termos de audiência entre os filhos da geração de Woodstock, nascidos entre 1964 e 1973 e que hoje possuem de 46 a 55 anos (21,96%).

Top Cidades: Paris, São Paulo, Rio de Janeiro, Dublin, Curitiba
Top Países: França, Brasil, Alemanha, Reino Unido, Países Baixos
Músicas mais ouvidas: "With A Little Help From My Friends", "We Are The World (Live)", "Up Where We Belong (From "An Officer And A Gentleman")"

Joan Baez

Nome importante do folk, se tornou musa das faixas etárias extremas: de todos os artistas analisados, é a que tem a maior audiência entre os menores de 18 anos (9,56%) e os Baby Boomers com mais de 56 anos que vivenciaram, de fato, Woodstock (28,99%).

O fenômeno pode ser explicado pelo ativismo sempre tão marcante de Baez, que chegou a ter seus shows vetados durante a Ditadura Militar brasileira por ser considerada subversiva.

Nesse tom, se despediu dos palcos neste agosto e, em entrevistas à imprensa espanhola à ocasião, manteve seu posicionamento anti-Trump - e que pode ter levado ao engajamento com a Geração Z.

Top Cidades: Paris, Lyon, Dublin, Toulousse, Marseille
Top Países: França, Alemanha, Brasil, Reino Unidos, Países Baixos
Músicas mais ouvidas: "Diamonds And Rust", "Here's To You (Take 1)", "Blowin' In The Wind (Live)"

Sly and the Family Stones

Quem curte o funk brasileiro não faz ideia que o original nasceu com bandas como Sly and the Family Stones - que também teve papel essencial no desenvolvimento da música soul e do psicodelismo ao unir seus elementos com o Rock.

O grupo se apresentou em Woodstock no auge de seu sucesso, entre 1967 e 1973, e foi uma das bandas afro-americanas mais populares da época.

A mensagem da diversidade se estendia ao gênero também, já que a formação contava com uma mistura nada típica de homens e mulheres. Recado dado: a Geração X, nascida entre 1974 e 1983, compõe a maior base da audiência atual (30,16%), mas os Millennials não ficam atrás, representando o segundo maior público (27,27%).

Top Cidades: Paris, São Paulo, Lyon, Toulusse, Marseille
Top Países: França, Brasil, Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha
Músicas mais ouvidas: "If You Want Me to Stay", "Family Affair", "Remember Who You Are"