Mundo

Portadores de HIV são proibidos de frequentar praia na Itália

Segundo psicóloga, as pessoas não podem transmitir a doença

Foto: Ansa/Reprodução
Praia Italiana
O estabelecimento balneário não prestou o mesmo atendimento e o recusou

Um grupo formado por 13 portadores do vírus da imunodeficiência humana (HIV) foi impedido de entrar em uma praia de Bari, capital da região da Puglia, no sul da Itália.

As pessoas eram convidadas da casa "Raggio di Sole", da Fundação Opera Santi Médici Cosme e Damiano di Bitonto, responsável pelo tratamento dos doentes na área, que denunciou o caso em uma publicação no Facebook.

O grupo estava pronto para ir à praia, como todo verão, mas, desta vez, o estabelecimento balneário, uma espécie de resort com serviço de cadeiras e guarda-sol, que deveria recebê-lo, não prestou o mesmo atendimento e o recusou.

Segundo a psicóloga do grupo, Fiorella Falcone, anualmente os portadores de HIV frequentam o local, que tem acesso privativo ao mar, e depois de "concederem a entrada, eles nos negaram a autorização".

Para o diretor da fundação, Giovanni Vacca, "a suspeita é de que a recusa está ligada ao preconceito, ao estigma que carrega apenas a sigla 'AIDS'.  "Os pacientes têm carga viral zero, não podem transmitir o HIV.

Em nenhum caso poderíamos transmitir com um mergulho no mar ou na piscina. Não há contágio com suor, lágrimas, urina ou saliva", explicou Falcone.

A psicóloga ainda ressaltou que o advogado disse abertamente que não queria mais recebê-los porque todos têm AIDS.

"Neste contexto de grande desumanidade, no qual são feitas leis que atestam o absoluto desrespeito pela vida humana, também registramos, com consternação e descrença, que uma estrutura receptiva de Bari se recusou a aceitar nossos pacientes que nós cuidamos no alojamento de Sunbeam. Só porque tem AIDS", diz uma publicação no Facebook da ONG.