Brasil / Segurança

Passageiros são presos na primeira classe de voo em Guarulhos

As passagens aéreas custaram R$ 150 mil

A PF e Polícia Civil (DEATUR) prenderam nesta terça-feira (11/6), em ação conjunta realizada no Aeroporto Internacional de São Paulo, cinco passageiros suspeitos de adquirir passagens aéreas na primeira classe mediante fraude com cartão de crédito.

Policiais federais e civis investigavam a compra de cinco passagens aéreas, na primeira classe, por passageiros que embarcaram em voo que partiu de Madri, na Espanha, com escala no México, tendo como destino final a cidade de Guarulhos, em São Paulo.

Segundo as investigações, as passagens aéreas, no valor total de R$ 150 mil, foram adquiridas pelos suspeitos mediante a apresentação de cartão de crédito com chip clonado, pertencente a um empresário, cujas informações, referente ao nome do verdadeiro proprietário, foram trocadas pelas do documento de identidade apresentado pelo estelionatário, com a finalidade de iludir o operador da companhia aérea que recebe o pagamento.

Os policiais aguardaram o pouso da aeronave e prenderam dois dos passageiros, que viajaram na primeira classe, ainda no interior da aeronave.

Outros três passageiros foram presos na área interna do aeroporto, sendo identificado pelos policiais que, misturados aos passageiros, identificaram-nos após ouvi-los comemorar a viagem realizada.

Cocaína

A Polícia Federal prendeu na segunda-feira (10), no Aeroporto Internacional de São Paulo, uma passageira, com quase três quilos de cocaína, tentando embarcar para o continente asiático.

Policiais federais, em fiscalização de rotina junto ao balcão de check-in de voo com destino a Goa, na Índia, abordaram uma passageira que aparentava muito nervosismo.

A mulher, de 21 anos e de nacionalidade boliviana, não soube dar informações precisas acerca de sua viagem e foi conduzida a uma sala reservada para passar por busca pessoal e revista das bagagens.

Entre suas roupas, os policiais encontraram 4 latas de alimentos diversos e suspeitaram do seu conteúdo.

Conduzida à delegacia, a mulher recebeu voz de prisão após os peritos federais identificarem a substância leitosa, de cor bege, que estava dentro das latas, como cocaína, cujo peso bruto somou quase três quilos.

A suspeita será conduzida ao presídio feminino, onde permanecerá à disposição da Justiça.