Política

Boulos critica novas restrições ao Minha Casa Minha Vida

O psolista Guilherme Boulos afirmou que a população mais pobre estará automaticamente excluída

Após déficit de R$ 2,8 bilhões com a inadimplência no programa Minha Casa Minha Vida no último trimestre de 2018, a Caixa Econômica Federal passará a avaliar a capacidade de pagamento das contas de luz e água para conceder o benefício a quem requisitá-lo.

A informação foi dada pelo próprio presidente do banco público, Pedro Guimarães, em entrevista à Folha de S.Paulo . O psolista e ex-candidato à Presidência da República, Guilherme Boulos, criticou a medida nesta terça-feira (23).

De acordo com o líder do PSOL, a mudança irá prejudicar os que mais precisam. “Caixa vai passar a avaliar se morador pode pagar água e luz para dar crédito no Minha Casa Minha Vida. A lógica é impecável: os mais pobres, que mais precisam da política habitacional, estão excluídos justamente por serem pobres”, disse Boulos.

A opinião de Boulos rendeu comentários em apoio. Uma de suas seguidoras alfinetou o Governo Federal. “Elegeram esse governo exatamente por isso. O ódio ao pobre, negro, LGBT, índio e mulher ganhou feições nessas eleições! A ação será programática e sistemática a menos que seja interrompida”, escreveu.