Bahia / Cidade

Bahia tem previsão de temporais e ventos fortes no final de semana

Neste sábado (23/3), a situação é de perigo

Foto: Ras Pareta Calderasch/Facebook
Registro de um raio sobre uma casa no bairro de São Caetano, em Salvador, na noite de ontem (22)

As fortes chuvas que caíram em Salvador entre o final da noite de sexta-feira (22/3) e a madrugada deste sábado (23), acumularam 115,2 milímetros em alguns pontos da cidade, a exemplo da região de Ondina. O previsto para o mês todo era de 151 milímetros.

Depois da passagem de uma frente fria no litoral da Bahia que ajudou a formar e espalhar nuvens carregadas de chuva, um sistema de baixa pressão ficará próximo do litoral sul baiano ajudando a manter as áreas de instabilidades sobre o estado, de acordo com a Climatempo.

Neste sábado (23/3), a situação é de perigo para a situação de temporais e chuva volumosa na costa sul da Bahia. Nas demais áreas do estado o predomínio será de muitas nuvens alguns períodos de sol e chuva de moderada a forte intensidade a qualquer hora do dia. 

No domingo (24), a influência do sistema de baixa pressão ao largo do litoral da Bahia vai colaborar para manter as nuvens carregadas e o tempo instável sobre o estado. O sol até aparece um pouco mas sempre entre muitas nuvens, mas ainda há risco para chuva e ventos fortes a qualquer hora do dia. 

De acordo com a Codesal-Defesa Civil de Salvador, a previsão climática para o trimestre março/abril/maio de 2019 indica que as chuvas esperadas para a cidade do Salvador deverão ficar em torno da média histórica (913,3 mm).

As chuvas poderão ser concentradas em poucos dias e espalhadas pela cidade. As situações de risco devem ser comunicadas pela população através do número telefônico 199.

Em Salvador, a Codesal registrou 32 ocorrências desde o final da noite de sexta-feira (22). Destes foram 2 alagamentos de área, 14 alagamentos de imóveis, 3 ameaças de desabamento, 2 ameaças de deslizamento, uma árvore caída, uma avaliação de imóvel alagado, 4 desabamentos de muro, 2 desabamentos parciais e 3 deslizamentos de terra. Não há registros de feridos. 

A tabela da Climatempo mostra o acumulado de chuva no período de 48 horas, entre 17 horas de 20/3/2019 até 17h de 22/3/2019, pela medição do CEMADEN – Centro Nacional de Monitoramento e Desastres Naturais.

-- Livramento de Nossa Senhora (159,2 mm)
-- Brumado (147,8)
-- Irajuba (145,8)
-- Ilhéus (116,8)
-- Abaíra (97,4)
-- Ibicoara (96,2)

Ciclone

Um sistema de baixa pressão atmosférica se organiza sobre o mar neste sábado, entre o litoral do Espírito Santo e do sul da Bahia, intensificando-se cada vez sobre o mar até a segunda-feira, dia 25.

A Climatempo acompanha a evolução deste sistema, pois há uma possibilidade de que ganhe força suficiente para gerar um ciclone tropical.

A intensificação do sistema de baixa pressão atmosférica significa que a pressão atmosférica no seu centro fica cada vez mais baixa. Quanto mais baixa a pressão do ar, mais intenso são os ventos e mais nuvens carregadas se formam.

As simulações atmosféricas feitas em supercomputadores continuam indicando a tendência de intensificação da baixa pressão no mar neste fim de semana. O sistema deve ficar mais organizado durante o domingo. Mesmo assim, por enquanto é só uma possibilidade de formação do ciclone.

O sistema fica sobre o mar, onde a água está quente, que é uma das condições para a evolução de baixa pressão atmosférica para um ciclone. Neste fim de semana, ainda não é possível dizer que existe um ciclone em formação, apenas uma possibilidade de que isto aconteça.

A maior instabilidade, as áreas de chuva mais fortes e os ventos mais fortes vão ficar sobre o mar. Mas independente da intensificação desta baixa pressão atmosférica, a circulação de ventos em diversos níveis da atmosfera vai forçar a concentração de umidade e calor sobre o norte e leste de Minas Gerais, Bahia e Espírito Santo neste fim de semana. Por isso, nuvens carregadas já atuam nestas áreas e vão continuar atuando nos próximos dias.  Há risco de raios e de chuva forte.

Por causa da proximidade desta baixa pressão atmosférica com o litoral do Espírito Santo e do sul da Bahia, mesmo que não se concretize o ciclone, algumas regiões capixabas e do sul baiano poderão sentir ventos moderados a fortes e pancadas de chuva isoladas também moderadas a fortes. 

As rajadas mais intensas devem ocorrer sobre o oceano e o mar tende a ficar muito agitado, perigoso para a navegação.

O limite entre 63 km/h e 116 km/h é mantido para regiões oceânicas, caso se forme o ciclone tropical. Mas no continente, as rajadas mais intensas podem ser de 60 km/h a 80 km/h.

As simulações atmosféricas indicam que a baixa pressão se desloca para o alto-mar e não para o continente. O maior risco da chuva e do vento forte deste sistema é para a navegação. Os navegantes devem evitar sair para o mar pelo menos até terça-feira. 


Alagamento em Igaporã, município a 860 quilômetros de Salvador

Nesta sexta-feira (22) as chuvas causaram estragos nos municípios de Ribeira do Pombal e Cícero Dantas, na Bahia, e em parte da BR-110, que liga as duas cidades.

Nenhum veículo motorizado está conseguindo ir de uma cidade a outra, relata o blog Dimas Roque.

Na cidade de Pombal, casas foram destruídas pela chuva e carros estão dentro de buracos em ruas destruídas pelas águas.

Outros estados do Nordeste

No sábado, o sul do Piauí, do Maranhão e a faixa litorânea entre São Luis e Recife, terão um dia com muitas nuvens intercalando períodos de sol e chuva de moderada a forte intensidade a qualquer hora do dia. Nas outras áreas do Nordeste, o sol aparece as nuvens aumentam e a partir da tarde ocorrem algumas pancadas isoladas de chuva com raios.

No domingo, muitas nuvens carregadas vão se formar sobre o Maranhão, Piauí, Ceará litoral do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Nestas áreas chove a qualquer hora dia e por vezes podem ser fortes.  Em Sergipe, Alagoas e em boa parte do Pernambuco o sol aparece e ocorrem pancadas isoladas a partir da tarde. 

Dicas de segurança

No período chuvoso aumentam os riscos de transtornos provocados pela maior intensidade das precipitações. As chuvas, geralmente acompanhada de ventos, podem ocasionar o lançamento de galhos de árvores, pedaços de tecidos, plásticos e outros objetos na rede elétrica, provocando ocorrências no sistema elétrico. 

Neste período, também é possível ocorrer o aumento no número de descargas atmosféricas (raios).  A Coelba-Companhia de Eletricidade da Bahia orienta a proceder com cautela em todas essas situações e dá dicas que podem ser adotados pela população para evitar situações de risco principalmente no ambiente doméstico.

-- Não ligue equipamentos elétricos se você estiver molhado ou descalço

-- Desconecte das tomadas os aparelhos eletrônicos que não estiverem sendo usados

-- Evite o contato caso as paredes da casa/edificação estejam úmidas e não ligue equipamentos elétricos em tomadas instaladas em paredes úmidas, elas são potenciais fontes de choques e mau funcionamento de equipamentos

-- Siga as orientações dos fabricantes de equipamentos elétricos quanto às instalações, principalmente as relacionadas ao aterramento elétrico

--Somente um especialista deve realizar manutenção nas instalações elétricas do imóvel

-- Evite ficar em áreas descampadas (abertas) como campos de futebol, piscina, lagos, lagoas, praias, árvores, postes, mastros e locais elevados. Recomenda-se ficar dentro de casa ou em local abrigado durante a chuva

-- Procure não ficar sob as árvores e/ou estruturas metálicas durante temporais com raios e, em casa, evite o contato com objetos com estrutura metálica como fogão ou canos, sobretudo se a casa estiver em campo aberto

-- Não realize serviços em locais onde o risco de exposição aos raios seja maior, a exemplo de instalação ou manutenção de antenas de TV

-- Só instale, desligue ou remova antenas se o tempo estiver bom. Se sua antena cair sobre a rede ou próximo a ela, nunca tente segurá-la ou recuperá-la

-- Caso encontre um fio caído, jamais se aproxime, e ligue imediatamente para a Coelba pelo telefone gratuito 116.

Monitoramento e proteção contra chuvas

Mais três novos pluviômetros (aparelho de meteorologia usado para recolher e medir, em milímetros lineares, a quantidade de chuva em determinado tempo e local) serão somados aos oito equipamentos do tipo já existentes em Salvador, com investimento de R$ 464 mil. Eles ficarão nos bairros de Sete de Abril, Castelo Branco e São Caetano.

Além disso, serão instaladas pela Prefeitura mais duas estações meteorológicas de monitoramento do clima, no Cabula e em Monte Serrat, com investimento de R$ 176 mil.

Outra ação será feita nas estações hidrológicas, com ampliação do monitoramento do volume de água através da instalação de duas estações no Rio Camarajipe. O investimento, neste caso, é de R$ 95 mil.

Dentre as iniciativas já realizadas estão a contenção e proteção de 218 áreas de risco desde 2014. Do total, 58 contenções de encostas já foram concluídas, com investimento de, aproximadamente, R$ 69 milhões. Outras oito contenções estão em execução ou terão as obras iniciadas, com investimento de quase R$ 31 milhões.

Quanto à proteção de encostas, foi autorizada a aplicação de mais 40 mil metros quadrados de geomanta (revestimento de solos para reforçar e proteger a vegetação em áreas onde poe ocorrer deslizamento de terra).

Desde 2016, quando a tecnologia foi implantada na cidade, já foram aplicadas quase 92 mil metros quadrados de geomantas em 152 encostas, com 41.357 pessoas beneficiadas e investimento municipal de R$ 14 milhões.

Outra iniciativa, a de aplicação de lonas, já envolveu o uso de cerca de 13 mil metros quadrados de material para proteger 108 áreas de risco, apenas durante os três primeiros meses de 2019.

Nos vídeos enviados ao Leiamais.ba: chuva no bairro do Imbuí, em Salvador, na noite desta sexta-feira (22/3)

Situação dos reservatórios de água na Bahia