Cidade / Educação

Homenagem ao professor e filósofo Saja

O sepultamento será nesta terça-feira, às 16 horas, no cemitério do Campo Santo

Foto: Divulgação

Neste momento minha percepção é que de percorre um arrepio pela coluna vertebral do Brasil. Que começo de ano pesado é este ? Brumadinho, os meninos do Flamengo, Boechat... para dizer apenas o que mais impactou nossos corações coletivamente nos últimos dias. Na minha cota pessoal o maestro Bira Reis, Paulo Gaudenzi e agora Saja, a quem conheci através de minha irmã, que foi aluna e é amiga dele. Eu era apenas uma garotinha saindo da adolescência e entrando na faculdade ele, com sua generosidade, me acolheu no seu sempre movimentado, vivo, iluminado círculo de  ideias e afetos. Como muitos, estou muito sentida.

A nota emitida pela Universidade Federal da Bahia diz tudo. E este espaço aqui está aberto para as homenagens a ele.  

“A Universidade Federal da Bahia lamenta o falecimento do professor José Antônio Saja Ramos Neves dos Santos, na noite desta segunda-feira, 11 de fevereiro, aos 64 anos, em decorrência de uma grave insuficiência cardíaca. O sepultamento será nesta terça-feira, às 16 horas, no cemitério do Campo Santo.

Saja era professor do Departamento de Filosofia da UFBA e uma figura pública das mais conhecidas e respeitadas em Salvador, com trânsito entre intelectuais de distintas inclinações e artistas de múltiplas áreas. Era um professor querido e reverenciado por seus alunos, ao longo de quase quatro décadas, e um colega estimado por todos.

Indivíduo de cultivada espiritualidade, nele se destacava o traço de um pensamento generoso, amigo do belo, que o fazia sutil e acolhedor, mesmo em tempo de tamanha aspereza.”

Fred Dantas - Logo que entrei na UFBA naquele lindo início dos anos 80, uma das figuras que ficou na minha mente como "a universidade" foi ele.

Doutor Bacural - Na minha busca de promover a humanização hospitalar, através das artes encontrei nas suas palavras e palestras um combustível para seguir em frente.

Shisha Kessin - Nosso Kafka! Agradecimentos eternos por tão expressiva passagem em minha vida. Em ampliar meus horizontes e expandir  minha mente!!! Honro e sou grata!

Gica Maria - Suas aulas eram disputadíssimas! Nunca consegui ter a sorte de ser sua aluna, nas concorridas matrículas da UFBA, mas consegui como ouvinte e foi um bálsamo pra alma! Sua figura inspirava mesmo nos corredores e em outras ocasiões em que sua VOZ mansa mas não menos gigante ecoava! Marcou e ficou! Que siga em paz, o mestre Saja!!

Vânia Schindler - Grande perda!!! Tive o prazer de ser sua aluna. Siga em paz grande Mestre!!!!

Paulo Bittencourt - Saja não julgava os outros com os valores ou a sua visão particular, pessoal. Ele via em cada um o que cada um queria ser (ou queria poder ser). E com ele todos podiam. Uma pessoa que dividia poderes. Não os sugava para alimento particular. Uma vez disse que ele uma socialista verdadeiro, ele sorriu... não desmentiu, mas disse "não necessariamente..." Entendi o ser e a historia!

Dirceu Factum - Existem pessoas que me causam um sentimento de tamanho respeito que até evito um contato mais próximo. Gente como Roberto Mendes, Mateus Aleluia, maestro Carlos Prazeres, Mãe Carmem do Gantois...e outros desse nobre naipe.

Com Saja não foi diferente. Nos encontrávamos em eventos culturais, de forma educada, gentil e amistosa.Eu me sentia um guri que vai falar com o diretor da escola... Graças a sua generosidade,leveza de alma e grandeza de coração, isso acabou. Passamos a conversar (mentira!) Eu fingia conversar largando uns tolos " eh verdade" " percebo isso também"," com certeza".

Desculpe amigo, eu fingia, mesmo. Estava ali como um pet sedento que encontra uma torneira aberta no jardim,num dia de sol da Bahia. Cara, como em tão poucos minutos de audição vc me dava tão rica bagagem. Certa vez criei coragem e o convidei para junto a uma outra pessoa que me foge a memória, entrevistarmos Lícia Fábio. Olha que mix bacana!?

Estou revirando tudo para achar esse material. Saja, imenso,rico, nobre, ímpar, dadivoso. Claro que vc já está nos braços generosos do Deus pai Perfeito.

E tenha certeza que não vou permitir "que Sr ninguém tente me por onde não quero estar". Descanse em paz, grande guerreiro! Qualquer dia a gente,vai se reencontrar.quem sabe já terei mais alma pra gente trocar umas ideias.

Por hora,sigo te lendo. Tá de bom tamanho para esse coração chorão que hoje enxarca-me a alma

Fernanda Mascarenhas - Sempre me cumprimentou afetuosamente e com educação. Não o conhecia profundamente, mas sabemos a que era um grande mestre. Meus sentimentos! Muita luz e paz. Com certeza estará num bom lugar. Melhor que esse que vivemos!

Edsoleda Santos - Minha admiração a esse Grande Mestre. Tive o imenso prazer de conhecer e conviver com SAJA, durante o curso de Mestrado em Artes na Escola de Belas Artes da UFBA, e pude perceber suas atitudes iluminadas diante de qualquer situaçao, sempre 
compartilhando com os colegas, sua sabedoria com simplicidade e generosidade. A Bahia e a UFBA perdem hoje um magnífico filósofo, com uma trajetória brilhante....Saudades, meus sentimentos aos familiares.

Maria Virgínia Gordilho Mrtins - ??Sua Alteza José Antônio??

Professor, amigo da sabedoria,
menino rei e por vezes monge, 
ouro sobre azul,
pescador de palavras na cartola, 
badalada da Ave Maria. 
Que o seu vôo seja lindo, pássaro leve... como um anjo.
SAJA, 
Andarilho querido de tantos “comparTRILHAmentos”, 
a estrela mais brilhante abriu um vértice para te receber em sua morada eterna.
Sua fala, beleza e imagem ficarão para sempre na minha vida/arte e no meu coração.
Hoje terá palestra no céu!

Gina Marocci - Ao mestre, com carinho.Lembro-me de Saja invadindo a Faculdade de Arquitetura para, além das aulas de estética, impregnar-nos com a arte do cinema. Nos idos de 1980, quando começaram a liberar Bergman e outros diretores, antes proibidos pelo regime, ele criou um grupo multidisciplinar para discutir cinema.

Lembro-me que o Cine Glauber Rocha abriu espaço para nós, é houve a presença de Tizuka Yamazaki com a estreia de Gaijin. Minha irmã estudava jornalismo e também fazia parte desse grupo.Tempos bons...

Nunca ouvi de Saja nada negativo, nunca o vi criticar ninguém. Ele me fez perceber o quanto tinha a aprender, e tanto que, quando concluí  arquitetura, fiz três semestres de filosofia, mas por conta do emprego não pude terminar.

Saja era um mestre, daqueles que nós libertam e nos fazem crescer. Agora ele é  mais um encantado que tenho, olhando por mim onde estiver.

Paulo Brasil Carvalho - Tive alguns encontros com Saja... Almoço, espetáculo de Dança, uma aula dele.. um show que fiz a convite dele. Não sei dizer o que sinto muito bem. Mas estar com Saja era me aproximar de tudo que eu acreditava, tudo que eu amava, e tudo que eu queria ser como Homem. Muito grato 
querido Saja. Sua consciência era era tão desperta, e infinitamente ampla que tenho certeza que vc vai estar em ótimas companhias. Quem sabe faleremos sobre Mahler em outra dimensão. Um abraço meu querido.

Livia Serafim - Amém! Sou amiga de SARJA ( sim, na minha adolescência quando o conheci, ele era SUA ALTEZA REAL JOSÉ ANTONIO, depois, ficando SAJA, sendo retirado o Real posteriormente. Fomos colegas na UFBA, Instituição que trabalhamos por tantos anos como professores, sendo eu lotada na Faculdade de Dança e ele na Faculdade de Ciências Humanas. 
SAJA sempre foi uma pessoa singular, uma mente singular e um coração singular, também. Continuará sendo único em nossa memória, na memória de cada um que ele marcou com sua especial sabedoria.

Cléo Oliveira - Ser humano maravilhoso, tive prazer de assisto palestra dele..TODOS nos, nos apaixonamos por ele, fiquei muito triste qdo soube da partida dele.

André Luis Prata - Dóris, vi a sua postagem rapidamente, pois tive um dia corrido, mas, depois de sair de uma consulta médica, vim pegar o carro no shopping e resolvi sentar um pouco. Logo após, chegou uma senhora, pediu permissão a mim, para sentar no mesmo banco e disse que tinha vindo do sepultamento de um amigo.
Quando questionei o motivo do falecimento, perguntei a idade dele, ela disse que tinha sido Saja e eu tomei um susto.
Fazia tempo que eu não o via, nem assistia às suas palestras, mas tenho ótimas lembranças dele, uma pessoa espiritualista, católica e logo veio à mente uma palestra, entre tantas que ele fez, no Colégio Marista do Canela, quando ele, depois de ouvir muitos aparelhos celulares tocando, foi até a mesa, sem parar a explanação, ligou o aparelho dele e quando tocou, ele interrompeu a palestra, começou a conversar com a pessoa e os ouvintes que estavam com os seus telefones ligados, começaram a desligá-los.

Daniela Augusto - Aos 17anos, fui aluna de Saja de estética. Logo ficamos amigos! Sofri minha primeira desilusão amorosa e Saja me deu uma onda de presente, caminhando comigo no farol da Barra, de noite e me fez pensar em quais eram as coisas que realmente importam! Foi lindo! Outros presentes imateriais que ele me fez perceber, jamais serão desviados da minha vida como artista, como mãe e como professora!