Brasil

Número de mortes em Brumadinho sobe para 165

Há ainda 160 desaparecidos, segundo a Defesa Civil de Minas Gerais

Foto: Corpo de Bombeiros de MG
Número de mortes em Brumadinho sobe para 165
Número de mortes em Brumadinho sobe para 165

Subiu para 165 o número de mortos pelo rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG). Há ainda 160 desaparecidos, segundo informou neste domingo, 10, a Defesa Civil de Minas Gerais.

Na manhã deste domingo, 17º dia de buscas por vítimas, os trabalhos foram retomados pelos bombeiros com o auxílio de 35 máquinas pesadas e 11 aeronaves. 

Os focos de buscas por vítimas estão na usina de instalação de tratamento de minério (ITM) na parte administrativa - refeitório, casa e estacionamento -, na área da ferrovia e em locais de acúmulo de rejeitos.

O efetivo total envolvido é de 352 pessoas, com 35 equipes em campos, das quais 150 militares do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, 129 bombeiros militares de outros Estados, 64 integrantes da Força Nacional de Segurança e 9 voluntários. Também reforçam as buscas 19 cães farejadores.

A barragem 1 da mina Córrego do Feijão em Brumadinho se rompeu no dia 25 de janeiro. Os rejeitos atingiram a área administrativa da empresa, uma pousada e comunidades que moravam perto da mina.

As causas da tragédia ainda não foram esclarecidas. A principal linha de investigação sobre as causas do colapso é o acúmulo anormal de água e a falha no sistema de drenagem da barragem.

Brigada Animal

Os trabalhos da Brigada Animal coordenada pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) continuam, desta vez em Barão de Cocais, uma das cidades mineiras que, na última sexta-feira, 8, receberam um alerta de risco em barragem.


O aviso, que incluiu também a cidade de Itatiaiuçu, fez com que quase 600 moradores dos dois locais saíssem às pressas de suas casas, o que impossibilitou levar os animais junto.

Com o intuito de cuidar dos bichos que ficaram nas casas, o CRMV-MG, por meio da Comissão de Desastres, encaminhou a equipe da Brigada Animal até o local. Neste sábado, 9, cerca de 1.500 animais, entre aves, cães, gatos, equídeos e bovinos receberam água e comida nas comunidades Vila do Congo, Tabuleiro, Piteira e Socorro.

Cães encontrados doentes nas ruas foram recolhidos e encaminhados para atendimento em uma clínica veterinária do município.

Entre os animais assistidos estavam aves de postura, cães, gatos, equídeos e bovinos. Cinco cachorros encontrados doentes nas ruas foram recolhidos e encaminhados para atendimento em uma clínica veterinária do município. A ação da Brigada foi desempenhada pelo CRMV-MG junto com a Defesa Civil da cidade e a Vale, proprietária da barragem que apresenta risco.

Segundo o conselho regional, a equipe da Brigada Animal que atua em Barão de Cocais é composta por voluntários com experiência e capacidade técnica para atuar em ocasiões de desastres ambientais. A médica veterinária Carla Sassi, que coordena os trabalhos junto com o médico Thauan Carraro, falou sobre a importância das ações.

"O risco é real e não tem previsão de os moradores retornarem para suas residências. Estamos aqui tanto pelos animais quanto por seus tutores, pois as circunstâncias inviabilizaram que eles pudessem levá-los", disse Carla.

Desde o rompimento da barragem de Brumadinho, no dia 25 de janeiro, a Brigada Animal tem atuado na cidade em prol dos animais. Até domingo, 3, 350 foram resgatados e 145 seguiam em tratamento.

A contagem se refere a animais resgatados e devolvidos a seus donos ou os que foram acolhidos na fazenda onde funciona o hospital de campanha. Os animais que receberam atendimentos nas propriedades de seus tutores também compõem esse número.