Bahia / Cidade / Economia

Bahia: 4 em cada 10 pessoas estão abaixo da linha da pobreza, diz IBGE

O percentual de domicílios sem nenhum rendimento está acima da média do Nordeste

Em 2017, 4 em cada 10 pessoas (44,8% da população, ou cerca de 6,9 milhões de pessoas) na Bahia, viviam abaixo da linha de pobreza, de acordo com dados divulgados pelo Instituto de Geografia e Estastítica.

Os dados do IBGE evidenciam que este percentual de pessoas, em 2017, ficava bem acima da média nacional (26,5% ou cerca de 55 milhões de pessoas). Em Salvador, a proporção de pessoas abaixo da linha de pobreza era quase a metade da encontrada no estado como um todo: 2 em cada 10 habitantes (24,2% da população do município, o equivalente a 715 mil pessoas). 

De acordo com o instituto, também aumentou, entre 2016 e 2017, o hiato da pobreza, ou seja, a distância (em %) entre o rendimento médio das pessoas abaixo da linha de pobreza e o valor limite dessa linha (R$ 406 mensais em 2017). O hiato de pobreza aumentou de 20,2% em 2016 para 22,5% em 2017; já em Salvador, a distância cresceu de 9,5% para 11,5%, de um ano para o outro.

Em 2017,  3,3% dos domicílios do estado não possuiam nenhum rendimento per capita, o que representava cerca de 168 mil residências onde nenhum morador tinha renda. Era o maior percentual do país, empatado com o do Amazonas, onde os 3,3% representavam, porém, muito menos domicílios: cerca de 36 mil em números absolutos.

Por fim, o IBGE  afirma que o percentual de domicílios sem nenhum rendimento (3,3%) ficava acima da média do Nordeste (2,4% ou 440 mil domicílios). Esse valor é ainda um pouco maior do que o percentual dos domicílios que pertenciam à faixa de rendimento per capita mais elevada: 3,1% das residências no estado (159 mil) tinham rendimento per capita maior do que 5 salários mínimos (R$ 4.685 por morador em 2017).