Política

Veja quais os presidenciáveis que respondem a ações na Justiça

Os dados são do aplicativo Detector de Ficha de Político

13 candidatos querem chegar ao Palácio do Planalto
13 candidatos querem chegar ao Palácio do Planalto

O Detector de Ficha de Político é um aplicativo gratuito para celulares, que utiliza reconhecimento facial e indica a que processos de corrupção e improbidade administrativa que cada político responde na Justiça.

Para isso, basta escrever o nome do político ou fotografar o rosto (em cartazes, na TV, anúncios de jornal ou vídeos na internet, por exemplo).

Dos 13 presidenciáveis há processos contra 3 (1 não consta do aplicativo e 9 são ficha limpa)

Veja um resumo do que pode ser encontrado no aplicativo sobre cada um dos presidenciáveis

Álvaro Dias (Podemos)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

Cabo Daciolo (PtdoB)
-- Inquérito no Supremo investiga a possível prática de peculato, envolvendo a apropriação indevida de renumeração paga a assessores na Câmara dos Deputados.

Ciro Gomes (PDT)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

Geraldo Alckmin (PSDB)
-- Ação Civil Pública tratando de crime de responsabilidade fiscal e enriquecimento ilícito, bem como violação aos princípios administrativos e que investiga os progamas de parcelamento incentivado.

Guilherme Boulos (Psol)
 -- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

Henrique Meirelles (PMDB)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

Jair Bolsonaro (PSL)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

João Amoêdo (Partido Novo)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

João Goulart Filho (PPL)
- O aplicativo não registra dados sobre o político

José Maria Eymael (DC)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
-- Condenado em ação penal no TRF-Tribunal Regional Federal, a 12 anos e 1 mês de reclusão, por crime de corrupção passiva e lavagem de dinheiro
-- Ação pena no TRF tratando de vantagens que, segundo o Ministério Público, recebera em decorrência de papel no esquema de corrupção da Petrobras, ocultação e dissimulação
-- Inquérito no Supremo que apura a prática do crime de comando de organização criminosa
-- Ação penal no TRF, como parte da Operação Janus, acusado de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e tráfico de influência.
-- Ação penal no TRF, acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e de receber benefícios em sítio no interior do Estado de São Paulo, em troca de fraudes na Petrobras.
-- Ação penal no TRF, como parte da Operação Zelotes, por lavagem de dinheiro, organização criminosa e tráfico de influência, envolvendo a compra de caças
-- Ação pena no TRF, acusado de corrupção passiva, por Medida Provisória depois convertida em lei, em benefício de montadoras.

Marina Silva (Solidariedade)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.

Vera Lúcia (PSTU)
-- Não há processos de corrupção ou improbidade administrativa contra este político.