Política

"Chapa estadual baiana não vai passar pela nacional", diz Jaques Wagner

Wagner, que nega as acusações, sinaliza que a chapa à reeleição do governador Rui Costa, da qual ele é o principal articulador, não deve contar com a senadora Lídice da Matta (PSB)

Foto: Divulgação

Apontado como ‘plano B’ do PT caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, desista de se colocar como candidato, o ex-ministro e ex-governador da Bahia por dois mandatos, Jaques Wagner, diz que vai se candidatar ao Senado.

O petista diz achar “difícil” que a operação Cartão Vermelho, em que a Polícia Federal afirma que ele recebeu R$ 82 milhões em propinas resultantes do superfaturamento na reconstrução da Arena Fonte Nova, atrapalhe sua campanha.

Wagner, que nega as acusações, sinaliza que a chapa à reeleição do governador Rui Costa, da qual ele é o principal articulador, não deve contar com a senadora Lídice da Matta (PSB).

Caso se confirme, a posição do PT da Bahia contraria resolução publicada no fim de semana pelo diretório nacional do partido, cuja orientação é alinhar alianças estaduais à nacional, que tem o PSB como prioridade.