Bahia / Cidade

Jardim etnobotânico é implantado no bairro de Cajazeiras

A iniciativa tem o objetivo de engajar moradores

Árvores de espécies sagradas do candomblé serão plantadas no local
Árvores de espécies sagradas do candomblé serão plantadas no local

O primeiro jardim etnobotânico do Parque em Rede Pedra de Xangô, em Cajazeiras, será criado nesta sexta-feira (8/6), com o plantio de 7 árvores de espécies sagradas do candomblé. As mudas, doadas pelo povo de santo que mora na região, serão das espécies peregun, akoko, sangue lavou, espada de Iansã, tapororoca, kabiciele e aroeira.

Durante a ação, também será feito um mutirão de limpeza em frente à Pedra de Xangô, tombada pela Prefeitura no ano passado. As atividades começarão às 9h, na próprio local, em Cajazeiras X.

A iniciativa tem o objetivo de engajar moradores, adeptos das religiões de matriz africana e integrantes do grupo de trabalho de Unidades de Conservação, composto por técnicos da Secretaria da Cidade Sustentável e Inovação (Secis) e representantes da sociedade civil, como cidadãos, associações, universidades e ONGs.

As plantas cultivadas no bosque etnobotânico serão utilizadas para fins religiosos, medicinais e alimentares, atendendo às comunidades que vivem próximas ao parque. A área do lugar - definida no Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU), em 2016 - reúne 12 pontos considerados sagrados pelo candomblé.

Em Lauro de Freitas

Alunos da rede municipal de ensino de Lauro de Freitas e de escolas particulares estão comemorando a Semana do Meio Ambiente.

A secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), preparou uma programação de atividades educacionais com palestras sobre o uso consciente da água e orientações sobre compostagem, horta orgânica, plantio e distribuição de mudas nativas usando como pano de fundo o cenário bucólico do Parque Ecológico de Lauro de Freitas, em Vilas do Atlântico.

A programação, iniciada na terça-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente, vai até sexta-feira (8), quando a Semarh lança o Projeto de Revitalização do Rio Sapato.

Na quarta-feira (6), uma turma de alunos da escola Ana Lúcia Magalhães percorreu trilhas, conheceu espécies nativas da Mata Atlântica que cobre a maior parte das terras do parque, e aprendeu sobre a importância de preservar o mesmo ambiente em defesa da vida. A turma foi acompanhada pelo professor Antônio Cláudio Sampaio e monitores do Parque Ecológico.


Estudantes conhecem espécies nativas da Mata Atlântica

De acordo com o coordenador do Parque, Marcelo Cardoso, além das orientações sobre técnicas de compostagem (in loco), os visitantes levarão para suas casas mudas de árvores nativas como pitanga, pau-brasil, ipê, açaí e palmeiras. “O objetivo é fazer aflorar a consciência ambiental, o cuidado com a natureza. As crianças e jovens são excelentes multiplicadores em suas comunidades e sairão daqui com noções mais embasadas sobre o assunto”, disse.

Além da programação realizada no Parque, as equipes de técnicos da Semarh visitarão pontos da cidade, que foram avaliados previamente, para receber o plantio de mudas. Os primeiros locais serão a entrada de Portão, no Caji, Praça da Escola 2 de julho e Creche Paulo Jackson, em Itinga.

O ponto alto da ação acontece na sexta-feira (8), quando a Semarh em parceria com a empresa  EM Ltda e a Embasa apresentarão o projeto piloto de revitalização do Rio Sapato.

O rio que nasce em Salvador, mas banha Lauro de Freitas em maior parte de seu trajeto, foi alvo de estudos para este projeto que pretende em 12 meses trazer novamente a qualidade das águas.

Além disso, também serão apresentados estudos sobre as bacias hidrográficas que cortam o município. O evento começa às 16h no auditório II da Unime.