Brasil / Saúde

Variações na tireoide podem representar perigo para o coração

Entenda como os distúrbios desse hormônio agem na sua saúde cardíaca

Foto: Pixabay/Creative Commons

Um estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, mostrou que o excesso ou a falta do hormônio TSH, produzido pela hipófise que fica no cérebro, e responsável por regular a atividade do hormônio da tireoide, pode bagunçar a saúde cardiovascular. Isso porque tanto o hiper quanto o hipotireoidismo podem desencadear diabetes e doenças cardiovasculares.

De acordo com o cirurgião cardíaco ,Dr. Marcelo Sobral, o aumento do TSH apresenta uma piora nos índices de colesterol e diabete tipo 2.

“O paciente com hipertireoidismo pode sentir palpitações, já que o coração aumenta a frequência de seus batimentos. Isso acontece porque a doença tem uma ação que faz com que os tecidos do corpo necessitem de nutrientes mais rapidamente e, com isso, há uma dilatação dos vasos sanguíneos e o coração, então, precisa mandar um volume maior de sangue para suprir essa demanda”, explica.

Segundo a especialista em tireoide pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Dra. Elaine Stabenow, cada paciente deve ter a sua avaliação individual, pois os sintomas de hiper e hipotireoidismo são um pouco diferentes, além da necessidade de avaliar o contexto de cada um.

“Caso os pacientes sintam desconfortos como alteração de humor, cansaço, pele seca, nervosismo, inquietação, queda de cabelo, inchaço ou variações no peso é necessário buscar auxílio médico para a realização dos exames e controle da tireoide”, ressalta a médica.

Além disso, o problema na tireoide provoca uma frequência cardíaca irregular e má circulação sanguínea. “Esse problema circulatório pode levar até a insuficiência cardíaca, que é uma condição na qual o coração não consegue bombear sangue o suficiente para o corpo inteiro. Caso o tratamento seja rápido e adequado, esses problemas podem ser revertidos a tempo. Do contrário, o paciente pode ir a óbito”, ressalta Marcelo.

Ter uma dieta balanceada, praticar exercícios para fortalecimento dos músculos, realizar atividades de relaxamento para diminuir o estresse ajudam no controle da doença. Porém, como as atividades físicas estão relacionadas ao metabolismo, é de extrema importância consultar o médico antes de iniciar uma nova rotina de exercícios, a fim de evitar aqueles que possam trazer algum perigo para pacientes com hipertireoidismo, por exemplo.

O hipotireoidismo silencioso causado na maioria das vezes por tireoidite crônica, também traz perigos para a realização de exercícios, principalmente para aqueles que estão na terceira idade.