Cidade

Imóvel que desabou em Salvador estava em situação irregular

A edificação tinha quatro pavimentos, contando com subsolo e cobertura

De acordo com a Prefeitura de Salvador, o imóvel que desabou na manhã desta terça-feira (13/3), na Rua Alto de São João, em Pituaçu, matando 4 pessoas, foi construído recentemente de forma irregular e não ocupava área de risco.

A edificação tinha quatro pavimentos, contando com subsolo e cobertura.

6 residências na área serão embargadas temporariamente para verificação das condições de segurança estrutural - uma dessas casas foi parcialmente demolida para facilitar o trabalho de resgate do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil de Salvador (Codesal).

3 pessoas foram resgatadas com vida e encaminhadas para o Hospital Geral do Estado (HGE): uma mulher de 35 anos com ferimentos na face; uma criança com 11 meses (sexo feminino) com traumatismo craniano; e um homem de 29 anos ferimentos na face e escoriações.

Outras 4 vítimas tiveram a morte constatada pelo SAMU ainda no local do desabamento: duas crianças, um homem e uma mulher.

A Defesa Civil de Salvador (Codesal) registrou 91 solicitações desde o início das chuvas fortes que caem em Salvador até o início da tarde deswta terça-feira. 

Entre as principais ocorrências estão 24 alagamentos de imóveis; 5 alagamentos de área; 18 ameaças de desabamento; 10 ameaças de deslizamento; 4 ameaças de queda de árvores; 2 árvores caídas; um desabamento de imóvel; 15 deslizamentos de terra; um destelhamento; e uma pista rompida. 

Auxílios

10 famílias afetadas pelo desabamento de um imóvel em Pituaçu foram cadastradas pela Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps) para receber auxílios. Todas foram orientadas a buscar a Defesa Civil de Salvador (Codesal) no menor tempo possível, e a expectativa é que o pagamento dos benefícios saia já na próxima semana.

3 dessas famílias receberão 2 benefícios, os auxílios moradia (o chamado Aluguel Social, para quem precisa, por alguma razão, deixar uma área onde há risco para a vida) e emergência (concedido a todos que tiveram perdas materiais). Outras 7 receberão apenas o auxílio-moradia porque terão de deixar seus imóveis diante de riscos estruturais identificados pela Codesal ou por terem de ser demolidos para viabilizar a entrada de máquinas para a retirada de escombros. Em caso de demolição, todos os objetos e pertences serão retirados dessas residências.

As famílias cadastradas para o auxílio-moradia receberão R$ 300 mensais. Já as cadastradas para o auxílio-emergência ganharão 3 salários mínimos. Também serão concedidos 4 auxílios-funerais para viabilizar o sepultamento das vítimas que estavam no imóvel que desabou.