Esportes

É oficial: Bahia 3 x 0 Vitória após expulsão de 9 jogadores e briga

O árbitro Jailson Macedo Freitas encerrou a partida aos 32 minutos do segundo tempo por causa da ausência do número mínimo de jogadores do lado rubro-negr

Foto: Romildo de Jesus
Foi uma vergonha! Jogadores trocaram tapas no BaVi da paz
Foi uma vergonha! Jogadores trocaram tapas no BaVi da paz

A Federação Bahiana de Futebol (FBF) divulgou nesta segunda-feira a súmula do conturbado clássico Ba-Vi do último domingo. Através do documento, a entidade oficializou o triunfo do Bahia por 3 a 0, no Barradão, após a partida ser encerrada prematuramente graças às expulsões de cinco jogadores do lado do Vitória.

O árbitro Jailson Macedo Freitas encerrou a partida aos 32 minutos do segundo tempo por causa da ausência do número mínimo de jogadores do lado rubro-negro. No momento, o placar indicava empate de 1 a 1, mas, seguindo o que manda o Regulamento Geral de Competições da CBF, o Bahia foi declarado vencedor.

A confusão no Barradão começou logo no início do segundo tempo, com o gol de pênalti marcado por Vinícius, que, na celebração, realizou uma dança em frente à torcida do Vitória, considerada ofensiva pelos rivais, que interpelaram o meia. Entre agressões de ambos os lados, foram expulsos sete jogadores, sendo três do lado rubro-negro (Kanu, Denilson e Rhayner) e quatro do Bahia (Vinícius e Lucas Fonseca, que estavam em campo, e os reservas Rodrigo Becão e Edson).

Em relatório anexado à súmula divulgada nesta segunda, Jailson explicou os motivos das expulsões e explicou que estes jogadores foram expulsos por agressões. A exceção foi Vinícius, que recebeu o cartão vermelho por "fazer gestos obscenos, provocando" a torcida do Vitória.

Jailson também detalhou os vermelhos mostrados a Uillian Correia, "por impedir ataque promissor" do Bahia, e Bruno Bispo, "por retardar o início de jogo de forma acintosa". Sobre a expulsão final, o árbitro não fez qualquer menção à possibilidade de um cartão arquitetado pelo Vitória, justamente para impedir o prosseguimento da partida.

Entre outros pontos, Jailson ainda revelou ter sido questionado no intervalo pelo diretor de futebol do Bahia, Diego Cerri, sobre o lance do gol do Vitória, enquanto o diretor de esporte rubro-negro, Erasmo Damiani, teria acusado o árbitro de "aceitar a pressão" do time tricolor.

Em meio a tantos eventos que mancharam o clássico, a FBF lamentou o desfecho da partida. "A FBF vem lamentar os fatos ocorridos ontem por ocasião do clássico entre as equipes do Vitória e do Bahia, afirmando que, dentro dos limites da sua atuação como entidade de administração, aplicará as normas regulamentares cabíveis e remeterá os documentos da partida ao TJD/FB (Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol da Bahia) para apuração das eventuais infrações disciplinares."

Nota oficial do Vitória

O Esporte Clube Vitória lamenta profundamente os incidentes ocorridos no clássico BaVi deste domingo (18), no Barradão. O futebol baiano vive um processo irreversível de profissionalização na gestão dos clubes e a briga generalizada, que marcou a partida válida pela sexta rodada do Campeonato Baiano 2018, é oposta a tudo o que o clube tem implementado desde dezembro de 2017.

Informamos que os atletas envolvidos nos incidentes ocorridos no início do segundo tempo do jogo já foram notificados e serão punidos internamente pelo Esporte Clube Vitória. Os atos de violência não são justificados e não estão de acordo com os valores da instituição. O clube aproveita o ensejo para lamentar postura e atitudes do atleta Vinícius, do Esporte Clube Bahia. O jogador irresponsavelmente incitou a violência antes do clássico, por meio de ofensas nas redes sociais, e durante o jogo, com gestos obscenos na comemoração de um gol.

Os atletas profissionais dos dois maiores clubes do estado deveriam servir de exemplo e o Vitória insistirá em ações e palestras internas para que seus representantes tenham condutas alinhadas aos valores da nossa instituição.

O clube acrescenta que o seu departamento jurídico está tomando todas as providências cabíveis e necessárias à preservação e defesa dos interesses do Esporte Clube Vitória, principalmente nas esferas da Federação Bahiana de Futebol e TJD-BA, incluindo todo o suporte aos atletas envolvidos no episódio.

O Esporte Clube Vitória reforça que não houve ordem ou orientação aos atletas por parte da direção para que houvessem expulsões suficientes para que a partida fosse encerrada pelo árbitro do jogo. Nos seus 119 anos de vida, o Esporte Clube Vitória sempre foi referência de esportividade, fair play e ética, e jamais fugiu à luta em qualquer competição na sua centenária e vitoriosa história.