Brasil / DESATIVADO / Educação / Segurança

Mãe de menina trans de 13 anos acusa escola de transfobia

A instituição negou e afirmou repudiar qualquer atitude com caráter preconceituoso

Na última terça-feira (21), a Escola Educar Sesc, no bairro de Montese, em Fortaleza, foi denunciada por rejeitar a renovação da matrícula de uma aluna de 13 anos que estuda na instituição desde os dois.

Em uma publicação no seu perfil do Facebook, Mara Beatriz, mãe da menina, relatou que a rejeição se deu pelo fato da sua filha Lara ser transgênero.

De acordo com Mara, de forma "transfóbica", a direção da escola recomendou que a família procurasse outra instituição para "atender as necessidades" da aluna.

Na publicação, a mãe de Lara afirmou que a escola não respeitou o nome social da menina, garantido por lei, além de dificultar o acesso da garota ao banheiro feminino.

No texto, Mara Beatriz ainda afirmou que já teria feito um Boletim de Ocorrência (B.O) na Delegacia de Combate a Exploração da Criança e Adolescente (Dececa) e que está sendo acompanhada pelo Centro de Referência LGBT local.

"Hoje, no CÚMULO DA TRANSFOBIA, me chamaram pra uma reunião e “recomendaram” que nossa família procure outra escola, que possa atender “as necessidades” dela.

Admitiram que ela é uma ótima aluna, com boas notas e comportamento, mas não vão fazer a matrícula dela para o ano de 2018. Simplesmente a expulsaram, a enxotaram.

E quando eu questionei nos escorraçaram: “os acompanhem, já terminamos a reunião”. Lara e nós, pais, nunca nos sentimos tão constrangidos, humilhados, diminuídos, desrespeitados...", escreveu Mara em seu perfil.

Nesta quarta-feira (22), a Escola Educar Sesc se pronunciou em seu site oficial sobre o caso e garantiu que a renovação da matrícula será efetuada.

"O Sistema Fecomércio e a Escola Educar Sesc repudiam qualquer atitude de preconceito. A Escola está averiguando os fatos e tomando as devidas providências. A premissa básica do Sistema Fecomércio é inclusão e educação. Analisamos o caso e a aluna tem matrícula assegurada em 2018 como todos os veteranos", diz a nota.