Alex Ferraz

Em Tempo - Coluna do dia 23/1/2017

Acidente (ou atentado) que matou Teori Zavascki tem que ser rigorosamente apurado, com vigilância da população
Pode ter sido, sim, uma terrível “trapaça do destino”, como já disse, e eu, particularmente, não sou adepto de teorias conspiratórias.

No entanto, convenhamos que é muita coincidência (e diversos órgãos da imprensa internacional disseram isso) que o ministro do STF responsável pela relatoria da Operação Lava Jato tenha morrido faltando apenas alguns poucos dias para revelar ao País uma gigantesca lista de políticos denunciados, incluindo aí o presidente do Senado, ministro de Temer e o próprio Temer.

Diante disso, faço coro com as palavras de um dos filhos do ex-ministro e de vários juristas e alguma, autoridades brasileiras, no sentido de que a investigação sobre as causas do acidentes não só seja RIGOROSÍSSIMAS e transparentes, mas também contem com permanente vigilância da sociedade como um todo, exigindo resultados críveis.

Não se pode confiar que tais investigações dependam de autoridades claramente sob suspeita de participação do maior escândalo de corrupção do mundo, e muito menos devemos nos contentar em indicação de substituto feita por autoridade, inclusive Temer, que está na lista dos denunciados.

E ponto final.

Nos presídios e fora deles (I)
As mentes mais esclarecidas seguem aterrorizadas com o controle que o crime organizado exerce sobre os que estão trancafiados nas masmorras medievais a que chama de presídios no Brasil.

Não seria para menos pois estamos muitíssimo piores do que aquilo que faz o Estado Islâmico.

No entanto, nunca é demais lembrar que esse mesmo crime já controla bairros inteiros na maioria das cidades brasileiras, estabelecendo normas para a entrada de pessoas, sob pena de serem fuziladas.

Nos presídios e fora deles (II)
Aliás, em TODO o País, o que falta mesmo é autoridade, Vejam, por exemplo, o que ocorreu agora em Belém, onde 24 pessoas foram fuziladas em 24 horas e, segundo a própria polícia, a principal suspeita é que elas tenham sido mortas por PMs, como vingança pela morte de um soldado.

Pois é...

Será que vamos mesmo acordar? (I)
Do colaborador Carlos Quintela recebo a informação de que há uma enorme movimentação pela internet para reunir um milhão de pessoas na Avenida Paulista pela demissão de toda a classe política, embora ainda sem data marcada.

 ”O e-mail de convocação já começou a circular e está sendo lido por centenas de milhares de pessoas. A guerra contra o mau político, e contra a degradação da nação, está começando. Não subestimem o povo esclarecido que começa a sair da inércia e de sua zona de conforto para lutar por um Brasil melhor.”

Será que vamos mesmo acordar? (II)
Diz a mensagem: “ Todos os ‘governantes’ do Brasil, até aqui, falam em cortes de despesas - mas NÃO CORTAM despesas -, querem o aumentos de impostos como se já não fôssemos o campeão mundial em impostos. A história nos mostra que muitos governantes caíram e até perderam suas cabeças exatamente por isso.”

Pois é: vide a Revolução Francesa...

Na frente
Para quem ainda olha com preconceito certos vizinhos nossos, eis uma observação: enquanto o Brasil convive com mais de uma centena de presos decapitados e violência absurda nas ruas, na Colômbia, a cidade de Medellín deixou no passado a situação de ser a capital mundial do crime e hoje exibe um desenvolvimento de fazer inveja a São Paulo, com sistemas de transporte incríveis, incluindo escadas rolantes para os morros e teleféricos para ligar regiões pobres ao centro rico.

Toda a Colômbia, aliás, pacificou-se após o fim das FARC, e, como resultado, teve crescimento de 100% nos investimentos estrangeiros e fluxo de turistas do exterior multiplicou-se por três.

Pois é...