Alex Ferraz

Em Tempo - Coluna do dia 11/11/2016

Afinal, quando os governantes terão, de verdade, o comando das suas forças policiais?

Acumulam-se os episódios lamentáveis de arbitrariedade, estupidez e violência descabida da Guarda Municipal de Salvador contra cidadãos. Não me darei ao trabalho de enumerá-los, aqui.

O que quero dizer é que, parece-me, está faltando comando REAL em relação aos prepostos desta que, pelo menos conforme os objetivos iniciais, deveria ser uma guarda de “elite”, composta por pessoas mais educadas e, esperava-se, mais civilizadas.

Porém, o que se vê, principalmente após a aprovação do porte de arma de fogo, é mais uma guarnição policial eivada de prepotência e que, estupidamente, quer impor sua autoridade através de grosseria, dos maus-tratos, inclusive contra jornalistas, como foi o caso recente de um fotógrafo deste jornal ameaçado de “levar uns tapas” caso fotografasse, pasmem, guardas municipais empurrando uma Kombi da prefeitura em pane, no Dique.

Sabemos que a PM também costuma agir – com as exceções de praxe, claro – de forma parecida.
Então, fica a dúvida: será que o atual prefeito, se alçado à governança do estado, deixará rolar tamanhos desmandos na PM como, pelo visto, ocorre agora com a Guarda Municipal? Conhecendo a sua proverbial autoridade, esperamos que não.

 

SOMEM
 

Insisto: os ônibus urbanos de Salvador desaparecem das ruas aos domingos. É como costumo dizer: meia-passagem, meia frota.

Caso a prefeitura, através do setor competente, queira verificar isso, é só colocar prepostos nos pontos (por exemplo: Orla Atlântica, Barra, Barbalho, Iguatemi etc.), num domingo (claro!) para ouvir os relatos dramáticos de usuários que passaram horas à espera do transporte. Uma autêntica tortura!

 

Trump e os analistas (I)
 

Que eu saiba, 99% dos analistas erraram nas previsões sobre as eleições americanas. Apenas dois acertaram: Tony Pacheco, da coluna GiraMundo, da rádio CBN Salvador, que no dia 23 de agosto previu com todas as letras que “Trump terá uma vitória histórica” (está lá no podcast da rádio, é só conferir), e Ricardo Amorim, da GloboNews, que também disse que Trump “pode ganhar, sim”. Parabéns a quem transmite fatos verdadeiros a ouvintes e leitores e não fica com medo de falar a verdade.

 

Trump e os analistas (II)
 

Conheço Tony Pacheco há cerca de quatro décadas e sei da sua imensa capacidade jornalística. Portanto, merece mesmo os parabéns. No entanto, não há por que parabenizar a grande maioria da população mundial, e mesmo, pelo menos, metade dos que vivem nos Estados Unidos, pela vitória deste símbolo da ultra-direita, do radicalismo, o preconceito. Mas, reconheçamos, ele REALMENTE representa boa parte da mentalidade babaca dos norte-americanos. Só para finalizar: sair de um Obama para um Trump, é demais, na minha ingênua e sonhadora maneira de ver as coisas!
 

Segue o caos no trânsito 
 

Caros leitores, não quero ser chato, mas não resisto em denunciar a inoperância das autoridades de trânsito de Salvador em relação ao controle humano, presencial, de agentes nos pontos críticos.
Ontem, fui obrigado a circular por diversas partes da cidade, e testemunhei tremendos congestionamentos no Dique, na Djalma Dultra (Largo das Sete Portas), Joana Angélica, na Liberdade, na Cidade Baixa, ufa! E não vi um agente de trânsito sequer. Pois é...

 

Segue o caos no Tororó
 

E neste caso, nem só no trânsito. O bairro, que já foi um exemplo de logradouro central ótimo para morar, deteriorou-se de vez. Muita violência, barulheira infernal, gritaria nos bares, um caos.
Quando digo que esta zorra deste país só faz deteriorar-se, acham que estou exagerando. Pois sim!

 

Frase:

Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro. (Carl Jung)