DESATIVADO / Saúde

Conheça os prejuízos que o consumo de açúcar provoca no seu organismo

Especialista fala sobre essa droga lícita que pode trazer muitos prejuízos a nossa saúde

O açúcar rouba energia do cérebro
O açúcar rouba energia do cérebro

O consumo de açúcar vem crescendo a cada ano, sendo considerado uma droga estimulante, que por ser lícita, pouco se discute sobre os prejuízos à saúde humana. Seu consumo exacerbado vem trazendo consequência alarmante para a saúde da população chegando a ser considerado um problema de saúde publica atualmente, por gerar uma série de desequilíbrios sistêmicos.

A dependência química do açúcar ocorre fortemente por gerar alta sensação de prazer, estimulando neurotransmissores cerebrais. Essa sensação boa gera um vicio, pois dura pouco tempo e nos faz querer sempre mais dessa substância.

Como explica nutricionista funcional Andrezza Botelho o açúcar refinado não traz beneficio algum ao organismo, por não conter nenhum nutriente, apenas calorias vazias.

Essa energia toda em excesso é armazenada na forma de gordura, através do hormônio chamado insulina, que quando super estimulado ou secretado constantemente leva à resistência à insulina ou Diabetes propriamente dito.

O açúcar é apenas um alimento calórico, de baixa qualidade nutricional, que não oferece benefícios para o organismo. Ele rouba nutrientes, podendo alterar o meio digestivo no estômago, prejudicar a absorção de vitaminas e minerais, interferir na digestão e na absorção intestinal, além de facilitar o aumento da excreção de alguns nutrientes dentro do organismo.

Além disso, o açúcar é alimento de fungos e más bactérias. Quando há um aumento desses elementos, você acaba mantendo um pH ácido no intestino, o que prejudica a absorção de nutrientes essenciais para o bom funcionamento orgânico.

Também traz prejuízos ao intestino, pois é o alimento preferido das bactérias patogênicas, fazendo essa colônia crescer rapidamente, diminuindo assim a colônia “boa”, e acabando com a flora intestinal saudável, ocasionando má absorção de nutrientes importantes; deficiência do sistema imunológico; entrada de toxinas pelos capilares levando a uma série de desequilíbrios no organismo e doenças como câncer (também serve de alimento para células cancerígenas, promovendo o crescimento de tumores).

Outros malefícios são o aparecimento de diabetes, o aumento de cáries, infecções e osteoporose, relacionados à perda lenta e constante de cálcio e magnésio que esse alimento acarretar; lesão nas paredes dos vasos sanguíneos; obesidade; envelhecimento precoce (aumento de radicais livres); hiperatividade; ansiedade; dificuldade de concentração e irritabilidade.

Para a nutricionista Andrezza Botelho, é fundamental o uso controlado e limitado desse alimento, para garantir a qualidade e o equilíbrio do corpo.

Através de trocas inteligentes como o uso de açúcar mascavo, açúcar de coco e até o demerara podemos ingerir alguns nutrientes interessantes, mas mesmo assim o consumo tem que ser muito consciente e equilibrado para garantirmos a saúde física e mental, evitando assim o aparecimento de doenças silenciosas e danosas, que acabam levando grande parte da população à morte logo após a sua descoberta.

O açúcar rouba energia do cérebro, facilita a síndrome metabólica que é geradora de problemas cardiovasculares e da gordura abdominal, hipoglicemia reativa, distúrbios de concentração, fadiga crônica, e ainda destrói alguns nutrientes.

Um estudo da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), feito com ratos de laboratório, mostrou que uma dieta com elevada dose de açúcar deixa o cérebro mais lento, prejudicando a memória e a aprendizagem.

De acordo com o estudo, o consumo excessivo pode interferir na capacidade da insulina de regular como a célula usa e armazena açúcar, o que é necessário para o processamento de pensamentos e emoções.

Além disso, o alto consumo de açúcar aumenta a formação de radicais livres, que em excesso podem causar efeitos deletérios no organismo, gerando o estresse oxidativo, ou seja, os radicais livres alteram o funcionamento das nossas células favorecendo o envelhecimento celular.

ÚLTIMAS