Carnaval / Cidade / Política

Foliões jogam água em ACM Neto e João Dória no carnaval de Salvador

ACM Neto retirou-se do camarote junto com seu convidado

ACM Neto no Circuito Campo Grande: entrou água
ACM Neto no Circuito Campo Grande: entrou água

No final da tarde desta terça-feira (13/2), último dia do carnaval em Salvador, ACM Neto estava no camarote da TV Aratu, no circuito Campo Grande, quando foi saudar o bloco das Muquiranas, puxado pelo cantor Léo Santana. Os foliões responderam com água.

No último dia de carnaval em Salvador ACM Neto estava acompanhado do prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), e do presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia (DEM).

No sábado (10), o prefeito ACM Neto havia evitado o bairro da Liberdade, onde nasceu o governador Rui Costa e de onde sairia o bloco Ilê Aiyê, um dos momentos mais esperados do carnaval baiano. Em 2017, o prefeito acabou vaiado, ao participar da saída do Ilê, e em 2018 decidiu ficar no circuito Barra/Ondina.


ACM Neto e João Dória

Nessa segunda-feira (12), o cantor e vereador Igor Kannário criticou o prefeito, a quem acusou de estar ausente do Carnaval porque "fica dando moral a bunda mole". Neto respondeu que o cantor "precisa se informar melhor antes de falar". E nesta terça-feira Kannário cancelou duas apresentações patrocinadas pela Prefeitura, alegando problemas na voz. 

Os shows estavam marcados para o Subúrbio de Salvador, e para o município de Madre de Deus, na Região Metropolitana.

ACM Neto tem dúvidas sobre uma possível candidatura ao governo da Bahia. Ele teria de renunciar em abril para concorrer contra o governador Rui Costa (PT). Se perder para o petista, Neto ficaria sem mandato até 2022, tempo demais longe do eleitor para quem depende de votos.

A legislação eleitoral o impede de tentar voltar à prefeitura em 2020, porque isso seria considerado um terceiro mandato consecutivo. 

A última vez que o DEM ocupou o governo da Bahia foi com Paulo Souto, em 2006. Ele perdeu a reeleição para Jaques Wagner (PT). 

Em Salvador, nesta terça-feira, o presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que seu partido apresentará candidato à Presidência da República entre março e junho.

O prefeito de São Paulo, João Dória - que é filho de baiano e já passou 14 carnavais em Salvador - também garantiu candidatura própria, no caso do PSDB, e disse que a composição da chapa, pelo partido, ainda está aberta.

Ele negou ser antagonista ao atual vice-governador paulista, Márcio França (PSB), cotado para ser o candidato de Geraldo Alckmin à sucessão ao governo de São Paulo. “Se o vice quiser filiar ao PSDB, não há nenhum mal”, disse Doria, em Salvador. 

E defendeu que o partido realize prévias tanto para a disputa no plano estadual quanto na federal. "Sou filho das prévias", comentou, sem admitir ser um dos pretendentes ao governo paulista.

Já ACM Neto prometeu decidir sobre uma candidatura sua ao governo da Bahia apenas após o dia 15 de março.

Carnaval do protesto

No carnaval de 2018, sobraram protestestos contra o presidente Michel Temer, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, o ex-governador carioca Sérgio Cabral, a corrupção e até os patos da Fiesp.

Blocos de Salvador, Recife (foliões escreveram no corpo a mensagem "Fora, Temer") e Belo Horizonte manifestaram-se contra políticos e o Judiciário (em São Paulo as manifestações foram mais tímidas).

No Rio, a escola Beija-Flor levou ratos para a Marquês de Sapucaí, criticou a criminalidade do Rio de Janeiro e expôs o sucateamento das redes públicas de saúde e educação.