DESATIVADO / Política

Lula diz desconfiar de acusações contra Cabral

Cabral está preso há um ano pela Lava Jato e pode ser condenado a 300 anos de detenção

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta quinta-feira, 7, em ato em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, que desconfia se as acusações de corrupção ao ex-governador Sergio Cabral (PMDB), seu antigo aliado, são verídicas. Cabral está preso há um ano pela Lava Jato e pode ser condenado a 300 anos de detenção. “Eu estou muito triste com o que está acontecendo com o Rio. O Rio não merece a crise que está passando.

Não merece ter governadores presos porque roubaram. Eu nem sei se isso é verdade, porque não acredito em tudo o que a imprensa fala. É importante investigar, saber a verdade. Quem roubou tem que estar preso”, declarou. O Estado do Rio tem dois ex-governadores presos atualmente: além de Cabral, também está encarcerado Anthony Garotinho (PR), acusado de crimes eleitorais e outros, correlatos. Já Cabral, tratado por Lula como amigo íntimo no passado, tem situação bem mais grave: responde a processos por corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e outros crimes, e já foi condenado a 72 anos de cadeia, no Rio e em Curitiba.

Ao falar de sua própria situação na Lava Jato, o ex-presidente disse que nada foi encontrado pela Polícia Federal nas buscas em sua casa. “Encontraram dinheiro na casa de não-sei-quem, joias na casa de não-sei-quem… Na minha só encontraram a joia do caráter”. O palanque de Lula em Nova Iguaçu foi montado na Praça Rui Barbosa, no centro na cidade, uma área de comércio popular. A praça não chegou a ficar lotada.

O mesmo se dera mais cedo na Praça do relógio, no município vizinho de Duque de Caxias, onde ele também discursou. Nos dois atos houve reações anti-Lula discretas. O ex-presidente foi acompanhado nesta quinta-feira pelo senador Lindbergh Farias (PT) e seu ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, além de deputados e lideranças locais. Amorim, aventado como possível candidato do PT a governador do Rio em 2018, discursou exaltando a política externa dos governos do petista. Lula está em caravana pelo Espírito Santo e o Rio desde segunda-feira. Conclui a viagem na sexta-feira, na capital do Estado. Ele fez outras caravanas em 2017, no Nordeste e em Minas Gerais. Ano que vem, irá ao Norte e Centro-Oeste.

O processo a que Lula responde no caso do triplex no Guarujá (SP) está no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) e o julgamento deverá sair antes do início da campanha presidencial, possivelmente ainda no primeiro semestre de 2018. Se o TRF-4 confirmar a decisão da primeira instância, ele será barrado pela Lei da Ficha Limpa – ficará inelegível por sete anos. Líder de todas as pesquisas de intenção de voto para presidente, Lula foi condenado em julho pelo juiz federal Sérgio Moro a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. O juiz entendeu que ele recebeu o triplex como propina da construtora OAS em troca de contratos da empresa com a Petrobras.