Karina Nery

Karina in Köln - Coluna de 03/12/2017

O dia em que meu filho de 5 anos foi parar na polícia alemã

Meu filho Ícaro e seus colegas precisavam fazer um workshop com a polícia e, ao final, mostrar que sabiam dizer seu nome, endereço e telefone dos pais.

Fui ver a prova prática! Vocês estão achando que é brincadeira? Que coisa fantástica! Pra variar, fiquei encantada.

As crianças foram divididas em dois pequenos grupos para que recebessem atenção individualizada. Já tiveram dois encontros com a polícia na creche e vão ainda visitar o quartel. 

Fomos recebidos por um policial muito chique, de quepe e tudo (e de arma também)!.

Primeiro o ouvimos falar sobre os melhores caminhos para as crianças irem sozinhas pra escola (que são aqueles que vão por dentro de áreas residenciais ou pelos bosques) e que elas DEVEM ir sozinhas pra escola! Tudo isso a partir dos seis anos!

Ele também deu várias dicas e falou sobre alguns cuidados, principalmente sobre o fato das crianças serem muito pequenas e os motoritas de carros muito grandes não conseguirem enxergá-las. 

Aqui também usa-se muito adesivos e roupas refletoras, pois no inverno, ainda está muito escuro quando elas vão para a escola.

Daí saímos, (debaixo de chuva mesmo!) para as ruas onde as crianças pretendiam ser os pais e os pais, as crianças.

As atividades eram para confirmar se a criança olhava pra um lado e pro outro antes de atravessar a rua (fizemos isso em três ruas diferentes), se ela sabia atravessar no sinal (apertar, esperar e atravessar no verde) e se ela sabia atravessar entre dois carros.

Bem, Ícaro, apesar de fazer várias piadas (ainda bem que todas em português, do tipo, 'bora que o policial vai atirar em minha bunda!'), não parar de conversar comigo sobre assuntos diversos, mesmo quando eu falava que o policial ia brigar com a gente, e dançar enquanto esperava o sinal ficar verde, foi aprovado e recebeu seu Verkehrpass (carteira de pedestre). Ufa!

Mas foi tanto trabalho pra fazê-lo decorar nosso endereço, com número e tudo, e em alemão (é claro), pra, na hora, terem usado nosso endereço antigo?

O policial ia dizendo o endereço e as crianças se levantavam para pegar a carteirinha com ele. Quando foi a vez de Ícaro, o policial disse nosso endereço antigo, mas Ícaro falou, em bom alemão, seu endereço correto. Tanto é que o policial, na hora, comentou isso. Que ele consegue ser compreendido. Deve ter sido aprovado com louvor!