Bahia / DESATIVADO

Policiais civis reafirmam que não vão aderir à escala do Carnaval

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia, (Sindpoc), Marcos Maurício, salientou que a Polícia Civil está sucateada

Foto: Divulgação

Policiais civis da capital baiana, região metropolitana e do interior reafirmaram em assembleia realizada nesta quarta-feira (11), no auditório da Associação dos Funcionários Públicos (AFPEB), que não vão aderir à escala do Carnaval de 2018 caso o governador Rui Costa não faça uma correção dos valores das diárias, horas extras e do plantão da festa carnavalesca.

Na pauta da categoria estão pagamento imediato da GAPJ IV, com respectivos retroativos para policiais civis que ainda não estão recebendo, decreto de promoção permanente, negociação da reestruturação salarial dos policiais civis, reajuste linear (2015 a 2017), aumento do auxílio alimentação e auxílio-transporte, entre outras demandas.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia, (Sindpoc), Marcos Maurício, salientou que a Polícia Civil está sucateada e o Governador Rui Costa ainda não abriu um diálogo para tentar negociar com a categoria. “O Governo da Bahia abandonou a sociedade e deixou a Segurança Pública a ‘Deus dará’. O Estado gasta tanto com propaganda e a maioria dos bairros e muitos municípios baianos tem toque de recolher. Ao todo, são 6 mil mortes por ano. A Bahia é o Estado mais violento do país!”, denunciou Marcos Maurício.