TRÂNSITO AO VIVO
quinta-feira, 29 de junho de 2017
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE
Política

Câmara devolve mandatos de Marighella e de Jorge Amado

Publicada em 14/08/2013 03:44:39

A Câmara dos Deputados realizou sessão solene ontem para promover a devolução simbólica dos mandatos dos 14 deputados federais do Partido Comunista do Brasil eleitos em 1945 para a Assembleia Constituinte de 1946 e cassados em 1948. Entre os parlamentares cassados estavam o escritor Jorge Amado; o político e guerrilheiro Carlos Marighella; Maurício Grabois, um dos fundadores do PCdoB; e João Amazonas, todos personagens históricos da luta contra a ditadura do Estado Novo (1937-45) e a ditadura militar de 1964-1985. O ex-deputado estadual por São Paulo, Milton Caires de Brito, também foi lembrado.

Segundo o presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves, esses parlamentares foram impedidos de concluir “um mandato outorgado pelo povo”. “Mesmo após ser colocado na ilegalidade, o Partido Comunista deu continuidade às suas lutas. Procedemos à devolução simbólica do mandato dos 14 deputados, mantendo o vinculo inalienável que o Parlamento deve manter com o povo brasileiro”, declarou.

Já o governador Jaques Wagner disse que “a conquista, construção e defesa da democracia no Brasil são tarefas cotidianas. Vivemos o mais longo período democrático do país e precisamos estar atentos às injustiças de hoje, de amanhã e também de ontem. Neste contexto, saúdo a Câmara dos Deputados que hoje (ontem) faz a devolução simbólica dos mandatos parlamentares dos baianos Jorge Amado e Carlos Marighella, cassados em 1948”.

O deputado estadual Marcelino Galo (PT) declarou que a devolução dos mandatos foi mais um marco para a história do país, sobretudo no que diz respeito ao período da ditadura militar. “Buscamos aqui na Bahia a devolução de nove mandatos de parlamentares cassados no período de chumbo do Brasil. O requerimento está em tramitação na Assembleia e esperamos que logo possamos fazer um ato desses aqui no estado para devolver, mesmo que simbolicamente, esses mandatos aos seus familiares”, pontuou Marcelino, que também é presidente da Comissão Especial da Verdade da Assembleia Legislativa da Bahia.

SIGA O LEIAMAIS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE