TRÂNSITO AO VIVO
quinta-feira, 29 de junho de 2017
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE
Cidade

Capacitação em melodias

por
Naira Sodré
Publicada em 11/10/2011 00:53:43

Anunciada ontem a expansão do núcleo de formação de jovens músicos do Centro Educacional Santo Antonio (Cesa), núcleo de ensino fundamental e profissionalizante das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) em Simões Filho. A expansão acontece graças a uma parceria formada entre a Neojiba (Núcleo Estadual de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia), OSID e a empresa Gerdau.

O convênio foi assinado no Centro Educacional, quando 40 crianças deram uma mostra do que já aprenderam com os monitores da Neojiba. Graças ao convênio, mais meninos e meninas poderão ter aula de iniciação musical.

Atualmente, 80 crianças recebem aulas duas vezes por semana. A partir de agora o número cresce para 160 alunos distribuídos em duas turmas. Este é o primeiro Núcleo de Prática Orquestral (NPO) do Neojiba, fora de Salvador, atendendo jovens entre 5 e 14 anos, em turmas de orquestra de cordas e de coral. O núcleo em Simões Filho já tinha dado seus primeiros passos em caráter experimental desde fevereiro deste ano, colaborando para a iniciação das crianças do Cesa no universo da música.

Na opinião da supervisora pedagógica, Rita Assis, o trabalho iniciado pelo Neojiba tem permitido a integração entre as crianças e adolescentes do Cesa trazendo a música como elo. “O Neojiba traz uma proposta que não se encerra na questão da musicalidade, mas vislumbra ir além da formação de músicos e de pessoas preparadas para atuar com mais autonomia e capacidade crítica. Isso reforça e consolida a importância dessa parceria”, defende a supervisora pedagógica.

Convênio – Participaram da assinatura do convênio a presidente da OSID, Maria Rita Pontes, o gerente executivo da Gerdau na Bahia, Gustavo Werneck, e a diretora administrativa e de Desenvolvimento Institucional do Neojiba, Beth Ponte. A inauguração oficial do núcleo faz parte do projeto de expansão do Neojiba, que se preocupa em beneficiar um número cada vez maior de crianças através da música.

Com a ampliação do Núcleo do Centro Educacional Santo Antonio, os alunos passarão a contar com turmas de canto coral e com a possibilidade de levarem os instrumentos (violinos, violas e violoncelos) para casa sob empréstimo, estimulando ainda mais a prática musical e colaborando para a revelação de novos talentos. A ampliação do Núcleo também reforça o caráter profissionalizante do Neojiba, que contratará jovens músicos já formados pelo programa e abrirá possibilidade para a capacitação de jovens monitores em pedagogia musical.

Mantido pelas Obras Sociais de Irmã Dulce, o Cesa é considerado uma das escolas com a melhor qualidade de ensino público da Bahia, segundo o resultado da última edição do Prova Brasil – exame nacional que avalia, na rede pública urbana, todos os estudantes da 4ª e 8ª séries do ensino fundamental. No Cesa, o esforço é pela inclusão de crianças e jovens em situação de pobreza e vulnerabilidade.

O gerente executivo da Gerdau, Gustavo Werneck, acredita que, com o Neojiba, a comunidade terá muito a ganhar. “A Gerdau acredita que o crescimento de uma empresa está diretamente ligado ao desenvolvimento integrado de seus diversos públicos, o que inclui as comunidades nas quais se insere.

Com essa convicção, um dos nossos focos de investimentos em responsabilidade social é em várias áreas da Educação, que abrangem o ensino formal, a gestão pela qualidade e o empreendedorismo, o meio ambiente, o esporte e também a cultura”, afirma o gerente. A ampliação do núcleo do NEOJIBA em Simões Filho é patrocinada pela Gerdau, através do FazCultura e conta com o apoio da Multi Planejamento Cultural.

A superintendente das OSID, Maria Rita Lopes Pontes, afirmou está imensamente feliz, já que o trabalho musical desenvolvido pelo Neojiba possibilitou a formação da Orquestra Santo Antonio. Ela considerou que a música muda a vida das pessoas já que acalma e proporciona mais senso de responsabilidade. A estudante Leilane Lopes, 12 anos, que estuda Contrabaixo e faz parte da orquestra, disse que antes de entrar para o Nícleo  não tinha nenhum contato com a música clássica. “Não conhecia e achava chata”. Agora, a música mudou o meu gosto, o meu modo de ser e ver as coisas. Meu sonho agora é continuar no Neojiba, afirmou.

SIGA O LEIAMAIS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE